Suplementação de Óleo de Peixe e Poluição Atmosférica

Estudos Científicos
24/set/2021

Ômega-3 Diminui a Inflamação e o Estresse Oxidativo na Pele após Quatro Meses de Suplementação

Efeitos da Poluição na Pele

Acelerador do Envelhecimento Extrínseco


Muitas pessoas conhecem os efeitos prejudiciais da poluição ambiental sobre a saúde, principalmente no trato respiratório, mas poucos conhecem seus efeitos na pele.
Pesquisas recentes mostram que as partículas em suspensão no ar conseguem penetrar na pele e em conjunto com a radiação ultravioleta produz estresse oxidativo e inflamação que futuramente acelera o aparecimento de rugas e linhas de expressão, pigmentação e até câncer de pele. 

poluição ambiental do ar engloba diversas substâncias em partículas, cujo aumento devido à industrialização e urbanização é altamente associado com morbidade e mortalidade em todo o mundo. A exposição crônica à radiação ultravioleta é a maior causa do envelhecimento extrínseco, porém, há outros fatores que influenciam para o envelhecimento prematuro. Exposição ao espectro de luz visível e infravermelho e a poluentes existentes do ar na forma de gases e partícula. A absorção cutânea e captação dérmica de contaminantes em gases é um importante e relevante mecanismo de exposição humana à poluição.
Os poluentes causados pela matéria particulada (PM2,5) podem transportar hidrocarbonetos poliaromáticos (PAHs), que são altamente lipofílicos e, portanto, penetram com facilidade na barreira da pele, alterando o seu funcionamento, o que resulta em estresse oxidativo e danos inflamatórios pela reação com proteínas da pele, lipídeos e moléculas de DNA. Os bifenilos policlorados, outras PMs tóxicas, através da bioacumulação, podem causar deformidades.
A exposição tópica à poluição demonstrou efeitos nocivos a pele, podendo resultar em desordens e patologias, incluindo xerose, sensibilidade, envelhecimento precoce e sinais de envelhecimento, como formação de rugas, pigmentação anormal e pele seca. Os poluentes também podem estar envolvidos na acne, eczema, erupções cutâneas e câncer de pele. Desta forma, a proteção eficaz da pele contra a poluição é muito importante não apenas por razões estéticas ou atenuação de manifestações cutâneas, mas também para inibir os riscos à saúde envolvendo os danos intrínsecos a outros órgãos.

Poluição, Doenças, de Pele e Envelhecimento

Estudos epidemiológicos sobre o impacto da poluição demonstram que as substâncias em partículas afetam o desenvolvimento e a exacerbação de doenças dermatológicas. A exposição à poluição causa:
ü  Indução do estresse oxidativo;
ü  Produção de espécies reativas de oxigênio (superóxido e hidroxila);
ü  Secreção de citocinas pró-inflamatórias (TNF-a, IL-1a e IL-8);
ü  Aumento de MMP’s (MMP-1, MMP-2 e MMP-9). 
Nos últimos anos, diversos estudos indicam a ligação entre desordens cutâneas e exposição aos poluentes aéreos, como por exemplo material particulado, ozônio, dióxido de enxofre, compostos orgânicos voláteis e dióxido de nitrogênio.


Hipertensão Arterial

A hipertensão é um importante preditor de morte prematura e incapacidade, e desempenha um papel fundamental na mortalidade e morbidade por doenças cardiovasculares e acidentes vasculares cerebrais.

Saiba mais e confira algumas formulações no e-book!

Preencha o formulário abaixo para fazer download do material

Ao baixar este material você concorda com nossas Políticas de privacidade
A Consulfarma solicita sua coleta de dados para identificação do usuário com a finalidade de entrarmos em contato para fornecermos mais detalhes relacionados ao tema do material gratuito, com base-legal por legítimo interesse conforme a nova lei LGPD. Estes dados não serão utilizados para envio de SPAM.


Estudo Comprova:
Suplementação de Óleo de Peixe Reduz os Danos Cutâneos Associados com a Exposição aos Materiais Particulados PM2,5


Estudo conduzido por Lin et al. (2020) teve como objetivo avaliar os efeitos potenciais do óleo de peixe contra a exposição dos materiais particulados PM 2,5. 
Quatro rodadas de amostras de fita D-squame da pele foram coletadas dois meses após o início do tratamento e cinco biomarcadores secundários de inflamação cutânea e do estresse oxidativo foram medidos. As concentrações fixas de PM2,5 no meio ambiente foram medidas em tempo real. Foram utilizados modelos lineares de efeito misto para analisar as associações entre exposição a PM2,5 a curto prazo e biomarcadores em cada grupo.
 
Resultados:
 
Ø  A concentração média de PM2,5 em 24 horas foi de 34,68 mcg/m3;
Ø  Em geral houve uma redução dos biomarcadores do estresse oxidativo e de inflamação cutânea no grupo óleo de peixe do que no grupo placebo;
Ø  Comparado com o grupo placebo, para um aumento de 10 mcg/m3 de PM2,5, o aumento de interleucinas (IL-1a) e de proteínas carboniladas foi 41,55% menor no grupo tratado com óleo de peixe em 48 horas e de 22,01% menor em 24 horas;
Ø  Não foram observadas diferenças significativas nos outros biomarcadores analisados entre os dois grupos.
Este estudo sugere que a suplementação de óleo de peixe pode promover melhoras significativas nos biomarcadores relacionados com a inflamação cutânea e do estresse oxidativo quando exposta aos materiais particulados PM2,5.


Autor(a)

Equipe Técnica Consulfarma
Equipe Técnica Consulfarma
Conhecimento

Nossa equipe quer muito dividir conhecimento com você, por isso postaremos por aqui assuntos relevantes para compartilhar tudo aquilo que é relevante para o mercado magistral. Aproveite!

Compartilhe este Post
Consulfarma Ads
Copyright © 2021 - Todos os Direitos Reservados. Confira nossa política de privacidade