Uso de Fluoxetina em Crianças com Espectro Autista

Estudos Científicos 28/abr/2021

Reduz os Escores que Medem os Transtornos Obsessivos-Compulsivos

Uso de Inibidores da Recaptação de Serotonina no Autismo em Crianças

Auxilia na Diminuição dos Escores que Medem os Transtornos Comportamentais

AutismoDéficit da comunicação social e interação; Padrões restritos e repetitivos de comportamento, interesses ou atividades.

A Desordem do Espectro Autista (DEA) representa uma condição caracterizada pelo comprometimento da comunicação e interação social, e padrões restritos e repetitivos de interesses, comportamentos ou atividades. Ela coexiste com diversas características clínicas, como déficit intelectual, epilepsia, Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH), desordens de linguagem, depressão, distúrbios do sono e gastrointestinais.

 

Transtorno do Espectro Autista e ISRSs

Relatórios publicados indicam que mais da metade das crianças e adolescentes com autismo são tratados com inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRSs), apesar de evidencias inconclusivas sobre sua eficácia.

A eficácia de quatro desses inibidores (fluoxetina, fluvoxamina, fenfluramina e citalopram) no autismo foi examinada em um estudo de revisão. Nove ensaios clínicos randomizados envolvendo 320 participantes foram avaliados, com 17 medidas de resultados diferentes relatadas. A maioria dos dados não era adequada para a metanálise, exceto para avaliação da Impressão Clínica Global. Dois estudos em adultos com fluoxetina e fluvoxamina demonstrou resultados superiores desses ISRSs em relação ao placebo. Houve melhora em relação a ansiedade e comportamentos agressivos.

De acordo com essa meta-análise foi concluído que não havia evidência da efetividade dos ISRSs para o transtorno do espectro autista em crianças e em adultos os resultados eram limitados. Portanto, esse estudo publicado em 2019 no periódico internacional JAMA teve como objetivo determinar a eficácia na redução da frequência e severidade dos comportamentos repetitivos e estereotipados em crianças com autismo e avaliar a tolerabilidade das crianças a esse medicamento.



Estudo Comprova

Fluoxetina nas Desordens do Espectro Autista em Crianças

Estudo conduzido por Reddihough et al. (2019) teve como objetivo avaliar a eficácia da fluoxetina na diminuição da frequência e a severidade do comportamento obsessivo-compulsivo em crianças com espectro autista.

Resultados:

Ø  A média dos escores CYBOCS-PDD após as 16 semanas de tratamento em comparação à linha base reduziu de maneira significativa no grupo fluoxetina de 12,8 para 9,02 (redução de 3,72 pontos - IC  95% [intervalo de confiança] -4,85 a -2,60);

Ø  A média dos escores CYBOCS-PDD após as 16 semanas de tratamento em comparação à linha base reduziu de maneira significativa no grupo placebo de 13,13 para 10,89 (redução de 2,53 pontos – IC 95% -3,86 a -1,19);

Ø  A diferença média entre os grupos foi de -2,01 na semana 16 (IC 95%: -3,77 a -0,25 – p=0,03).

Conclusão:

De acordo com os resultados, em crianças e adolescentes com desordens do espectro autista, o tratamento com fluoxetina comparado com o placebo resultou em diminuição significativa dos escores que medem os transtornos comportamentais na semana 16. 


Referências:

REDDIHOUGH, D. et al. Effect of Fluoxetine on Obsessive-Compulsive Behaviors in Children and Adolescents With Autism Spectrum Disorders: A Randomized Clinical Trial. JAMA. 2019 Oct 22;322(16):1561-1569. doi


à Essa tecnologia pode ser encontrada em farmácias de  manipulação.


Autor(a)

Equipe Técnica Consulfarma
Equipe Técnica Consulfarma
Conhecimento

Nossa equipe quer muito dividir conhecimento com você, por isso postaremos por aqui assuntos relevantes para compartilhar tudo aquilo que é relevante para o mercado magistral. Aproveite!

Compartilhe este Post
Copyright © 2021 - Todos os Direitos Reservados. Confira nossa política de privacidade